Sustentabilidade se aprende na escola

Se o conceito de sustentabilidade estivesse presente nas escolas de forma efetiva, certamente teríamos mais adultos engajados nas questões ambientais. A educação é um dos principais vetores de conscientização social, e a escola, um ambiente fundamental para ser palco desse novo pensar e agir, revendo padrões de produção e consumo. Algumas instituições de ensino já incluem no projeto pedagógico essas lições sobre o desenvolvimento sustentável, como o exemplo da Green School, em Bali (http://www.respostassustentaveis.com.br/blog/licoes-de-sustentabilidade/), que mostramos aqui no blog.

Aqui no Brasil já temos alguns bons exemplos de escolas integrando atitudes responsáveis ao seu espaço, como o projeto EP+20+5, da Escola Parque, no Rio. Ela criou o GAEP (Grupo Ambiental da Escola Parque) e dele nasceu o projeto, que é um plano colaborativo de metas pela sustentabilidade, produzido pelos próprios alunos e organizado por professores. A ideia é pensar em soluções para tornar a escola mais sustentável num prazo de cinco anos. O projeto, organizado em temas, abrange Transporte e Mobilidade, Alimentação, Energia, Água, Resíduos e Materiais e Biodiversidade.

Alunos da Educação Infantil em aula de cultivo e contato com a terra/EP+20+5 / Foto: EP/Divulgação

O colégio estadual Erich Walter Heine foi no país a primeira escola construída segundo preceitos de equilíbrio com o meio ambiente. Situada no Rio de Janeiro, a escola, inaugurada em maio de 2011, teve seu projeto arquitetônico desenvolvido numa parceria público-privada, aproveitando as características naturais do local.

Priorizando a iluminação natural, o reaproveitamento das águas captadas das chuvas e a implantação de um telhado verde, que ajuda na climatização dos ambientes, o colégio conquistou o selo Leed (Leadership in Energy and Envorimental Design), sendo uma das 120 escolas reconhecidas pelo Green Building Council, entidade regulamentadora da certificação.

C E. Erich Walter Heine, em Santa Cruz / Foto: divulgação

Há poucos mais de uma semana, foi inaugurada em São Paulo a escola estadual Ilha da Juventude, que conquistou o certificado AQUA (Alta Qualidade Ambiental) através da Fundação Vanzolini, gerida pela USP. O certificado é concedido a projetos arquitetônicos que seguem padrões sustentáveis desde a concepção da obra até a utilização do prédio. O modelo deverá ser aproveitado para a construção de mais três projetos, já em fase de execução.

Pensar na questão do equilíbrio com o meio ambiente, fazendo da escola um ambiente gerador de novas possibilidades, incentiva o movimento de transformar primeiro a si mesmo e depois a realidade onde se vive. Confira o infográfico abaixo, preparado pelo site Nova Escola, da Editora Abril, que sugere e explica atitudes a serem implementadas em escolas que busquem um ambiente mais responsável:

Fonte

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *